Content

Ignácio Rangel

Ignácio de Mourão Rangel (1914-1994)

Ignácio de Mourão Rangel (1914-1994). Nascido em 20 de fevereiro de 1914 na cidade de Mirador,  Maranhão, filho de um Juiz,   Ignácio de Mourão Rangel  graduou-se em direito. Em 1954 vai para o Chile onde realiza um curso de Pós-Graduação na Cepal, defendendo a tese intitulada “Esarollo Económico en Brasil”. Foi militante do Partido Comunista e fez parte da Aliança Nacional Libertadora (ALN). Já na sua militância intelectual integrou o Instituto Superior de Estudos Brasileiros (ISEB). Chegou a ocupar cargos públicos, como integrante da assessoria econômica de Getúlio Vargas, ajudando no projeto de criação da Petrobras e da Eletrobras.  Ingressou nos quadros do BNDE em 1955  chegando a chefe do Departamento Econômico, ainda participou do Conselho de Desenvolvimento da Presidência da República. Atuou no Plano de Metas do   governo Juscelino Kubitschek. Em 1964 foi convidado para ocupar o Ministério da Fazenda pelo Presidente João Goulart, mas não aceitou. Manteve uma coluna no Jornal Última Hora no Rio de Janeiro entre 1969-1961 e em 1993, ainda nos anos 80 colaborou com o Jornal Folha de São Paulo. Faleceu em 1994.

Fonte: REGO, J. M. R. ; BRESSER PEREIRA, Luiz Carlos . Um Mestre da Economia Brasileira: Ignácio Rangel. Revista de Economia Política, São Paulo, 1993. RANGEL, Ignacio. Obras Reunidas. V.2. Editora  Contraponto, Rio de Janeiro, 2005.

OBRAS DE IGNÁCIO RANGEL: 

Trabalhos Disponíveis sobre Ignácio Rangel na Internet:

BIOGRAFIA: 

Ignácio Rangel (1914-1994) 

Ignácio Rangel 

 

Artigos de Ignácio Rangel:

A balança comercial

A chave da questão (1987)

A componente inercial (1987)

A conceituação de empresa nacional (1988)

A distribuição de renda (1983)

A dívida externa, uma reflexão (1983)

A economia e a política (1988)

A economia e o voto (1986)

A era das substituições (1990)

A essência das mudanças (1988)

A harmonia dos poderes (1986)

A história e o ciclo (1988)

A hora da verdade (1986)

A indexação (1989)

A inflação e o Cruzado (1988)

A inflação e os juros (1986)

A inflação na linha direta da superação da crise atual (1983)

A lei e o decreto-lei (1987)

A Norte-Sul (1987)

A nova depressão mundial (1991)

A nova ministra e o combate a inflação (1989)

A orquestra do Titanic (1988)

A presença estatal na economia (1983)

A privatização e a lei (1987)

A recuperação americana (1983)

A taxa de juros (1983)

A Tocantina (1983)

A última disposição transitória (1988)

Ainda a inflação (1988)

Ainda sobre a 'inécia acelerada' (1988)

Ainda sobre a inflação inercial (1985)

Arrocho salarial não cria emprego (1983)

As alternativas (1985)

As etapas da industrialização brasileira

As instituições e a crise (1989)

As mangueiras da inflação (1983)

As polêmicas teses de Ignácil Rangel

Bóias-frias (1984)

Bom devedor (1987)

Centralismo e federalismo (1988)

Cepal e a substituição industrial de importações (1988)

Ciclos e ondas (1984)

Classe operária e privatização (1989)

Competitividade (1988)

Conceito de latifúndio independente do aspecto produtivo (1987)

Conservadorismo renovador (1983)

Contradições entre serviços públicos e privatização (1985)

Contradições entre serviços públicos e privatização (2) (1985)

Controle populacional (1969)

Convergência (1988)

Criminalidade e crise econômica (1980)

Da infugibilidade das árvores (1987)

Desestatização e planejamento (1987)

Dívida interna e dívida externa (1987)

Dualidade e crise (1983)

Duas questões escaldantes, as múltis e o 2º mundo (1983)

Empresas estatais e privatização (1988)

Energética (1988)

Entre o curto e longo prazos (1988)

Equívocos históricos (1988)

Escala móvel e indicadores de preço no Brasil (1983)

Falsas alternativas (1988)

Febre alta na economia brasileira (1989)

Federalismo e unitarismo (1985)

Ferrovia x Rodovia

Fim de linha (1988)

Fim de linha - 2 (1988)

Flutuações econômicas (1990)

Formalismos (1987)

Governo deve saber que está na bolsa a solução de muitos problemas (1979)

Industrialização e agricultura (1955)

Industrialização e ZPEs (1987)

Inflação e conjuntura (1988)

Inflação e conjuntura (1990)

Inflação e distribuição de renda (1988)

Inflação e questão agrária

Iniciativa pública e privada (1956)

Integração econômica (1990)

Investimento púplico e privado (1988)

Leilões de câmbio (1987)

Milagres a antimilagres (1987)

Milagres e seus autores (1985)

Múltis na retomada (1988)

Ninguém ganha com a recessão (1989)

O amadurecimento da crise (1983)

O ardil do conceito (1989)

O artigo 39 (1985)

O Brasil e o mundo (1984)

O caminhão e o trem

O Cruzado e verão (1989)

O custo e a tarifa (1987)

O desfecho da crise (1988)

O fundo do poço (1987)

O futuro da dívida externa (1983)

O futuro do comércio exterior (1987)

O mesmo ciclo uma nova história

O olho do furacão (1983)

O outro lado da privatização (1988)

O pacto (1988)

O papel da inflação (1990)

O Plano Cruzado e o pacto (1988)

O presidente e a recessão (1986)

O presidente e os mestres da economia (1990)

O problema da tarifa (1986)

O trem-bala e sua importância para o país (1989)

Parlamentarismo e presidencilismo

 Peperplexidades e certezas (1986)

Plano Cruzado e URP (1988)

Privatização e mudanças institucionais (1987)

Privatização e plano verão (1989)

Privatização, a única saída

Qual é a conjuntura (1988)

Que fazer (1988)

Questão agrária e ecológica

Recuperação amaricana (2) (1983)

Reforma econômica faz 3 anos (1985)

Sem modernização o país não tem futuro (1988)

Serviços públicos, passado e futuro (1983)

Sistema em 'queda livre' (1983)

Substituições de importações (1983)

Taxas de juros e privatização (1989)

Tempos de balanço

Um marco miliar

Uma velha história carioca (1983)

Uma visão da 'perestroika' (1988)

ZPEs e comércio exterior (1988)

   

ARTIGOS E ENSAIOS:

Ignácio Rangel (Fernando Cardoso Pedrão)

A volta por cima de Ignácio Rangel (Luiz Carlos Bresser-Pereira)

A dualidadebrasileira de Ignácio Rangel (César Guimarães)

O Pensamento de Ignácio Rangel (Milton Santos)

Ignácio Rangel e a dualidade (Francielle Camila Santos Ribeiro &Renata Maciel Gugelmin)

A singularidade do pensamento de Ignácio Rangel

Um mestre da economia brasileira: Ignácio Rangel (Luis Carlos Bresser Pereira e José Márcio Rego)

A esquerda em debate: um breve diálogo entre Ignácio Rangel e Alberto passos Guimarães" (Arissane Dâmaso Fernandes)

Aspectos do pensamento econômico de Ignácio Rangel (Rodrigo L. Medeiros)

Ignácio Rangel: o grande teórico do dualismo no Brasil (Arissane Dâmaso Fernandes)

Ignácio Rangel (Fernando Cardoso Pedrão)

Economia Brasileira e Pensamento Econômico Independente (Fernando Antonio Faria)

Planejamento e Crítica: A contribuição de Ignácio Rangel (Fernando Pedrão)

Evolução e estado atual do pensamento desenvolvimentista no Brasil Evolução (Ricardo Bielschowsky)

A expansão da infraestrutura no Brasil e o project finance (Nelson Siffert Filho)